Linha de apoio +244 930 407 708
Avançada
Pesquisa
  1. Home
  2. Tracoma
Tracoma

Tracoma

  • 1 de March, 2021
  • 2 Gostos
  • 183 visualizações
  • 0 Comentários
INTRODUÇÃO
Tracoma é uma conjuntivite crônica causada por Chlamydia trachomatis e caracterizada por exacerbações progressivas e remissões. É a principal causa de cegueira evitável no mundo. Sintomas iniciais são hiperemia da conjuntiva, edema palpebral, fotofobia e lacrimejamento.
Mais tarde, ocorrem neovascularização da córnea e cicatrização de conjuntiva, córnea e pálpebras. O diagnóstico costuma ser clínico. O tratamento é feito com antibióticos tópicos e sistêmicos.
O tracoma é endêmico em regiões muito pobres da África do Norte, no Oriente Médio, no subcontinente indiano, na Austrália e no Sudeste Asiático. O agente etiológico é a Chlamydia trachomatis (sorotipos A, B, Ba e C).
Nos EUA o tracoma é raro, com ocorrências apenas em índios e imigrantes. A doença ocorre principalmente em crianças, sobretudo naquelas com 3 a 6 anos. Ela é menos suscetível em crianças mais velhas e adultos por causa de melhor imunidade e higiene pessoal. Ela é altamente contagiosa em seus estágios iniciais, sendo transmitido pelos contatos olho-olho e mão-olho, por moscas em contato com os olhos ou pelo compartilhamento de objetos (p. ex., toalhas, lenços, maquiagem).
O tracoma geralmente afeta ambos os olhos. O sistema de graduação da OMS descreve cinco estágios.
QUADRO CLÍNICO
Inflamação tracomatosa folicular (TF): caracterizada por cinco ou mais folículos na conjuntiva tarsal superior
Inflamação tracomatosa intensa (TI): caracterizada por um espessamento inflamatório pronunciado da conjuntiva tarsal obscurecendo mais da metade dos vasos tarsais profundos normais
Cicatrizes tracomatosa (CT): caracterizada pelas cicatrizes na conjuntiva tarsal
Triquíase tracomatosa (TT): caracterizada por pelo menos um cílio friccionando o globo ocular
Opacidade da córnea (OC): caracterizada pela opacidade da córnea facilmente visível na pupila

Raramente a neovascularização da córnea regride completamente sem tratamento e a transparência corneana é restaurada. Com tratamento e cura, a conjuntiva se torna lisa e branca-acinzentada. Problemas de visão ou cegueira ocorre em 5% das pessoas que contraem tracoma.

DIAGNÓSTICO
Achados clínicos (p. ex., folículos tarsais linfoides, cicatrizes conjuntivais lineares, pannus corneanos)
O diagnóstico do tracoma normalmente é clínico porque testes raramente estão disponíveis em áreas endêmicas. Folículos linfoides na porção tarsal ou ao longo do limbo corneano, cicatriz conjuntival linear e pannus corneano são considerados diagnósticos em uma avaliação clínica adequada.

Se o diagnóstico for incerto, C. trachomatis pode ser isolado em cultura ou identificado por PCR e técnicas de imunofluorescência. No estágio inicial, a presença de pequenos corpos de inclusão citoplasmáticos basofílicos em células epiteliais conjuntivais, em raspados conjuntivais corados com Giemsa, diferencia o tracoma da conjuntivite não causada por clamídia. Os corpos de inclusão também são encontrados na conjuntivite de inclusão do adulto, mas o desenvolvimento do quadro clínico a distingue do tracoma.

A conjuntivite palpebral primaveril é semelhante ao tracoma em seu estágio folicular hipertrófico, porém os sintomas são diferentes e papilas com superfície plana e leitosa estão presentes, ao passo que eosinófilos, ao contrário de corpos basofílicos de inclusão, são encontrados em raspados.
TRATAMENTO
– Antibióticos
– O programa SAFE (cirurgia, antibióticos, limpeza facial, melhoria ambiental) em áreas endêmicas.
Alguns casos individuais ou esporádicos da inflamação tracomatosa-folicular podem ter indicação de tratamento tópico. Algumas vezes é possível fazer o tratamento tópico da inflamação tracomatosa, mas deve-se considerar o tratamento sistêmico. Para casos individuais ou esporádicos azitromicina 20 mg/kg (máximo 1 g), em dose única VO tem de 78 a 95% de eficácia. As alternativas são pomada de tetraciclina a 1% em ambos os olhos bid durante 6 semanas; doxiciclina 100 mg bid ou tetraciclina 250 mg qid durante 4 semanas. Em áreas hiperendêmicas, devem-se aplicar pomadas oftálmicas de tetraciclina ou eritromicina bid, por 5 dias consecutivos a cada mês, durante 6 meses. Reduções significativas no tracoma endêmico foram obtidas com o tratamento comunitário oral sistêmico com azitromicina em dose única ou em repetidas doses. A reinfecção por reexposição é comum em áreas endêmicas.

A Organização Mundial da Saúde aprovou um programa de 4 etapas para o controle do tracoma em áreas endêmicas. Esse programa é conhecido como SAFE e significa:

Cirurgia para corrigir as deformidades palpebrais (p. ex., entrópio e triquiase) que colocam os pacientes em risco de cegueira;
Antibióticos para tratar pacientes individuais e administração de fármacos em massa para reduzir a carga da doença na comunidade;
Limpeza facial para reduzir a transmissão a partir de indivíduos infectados;
Melhoria ambiental (p. ex., acesso à água potável e saneamento melhorado) para reduzir a transmissão da doença e reinfecção dos pacientes.

 

  • Partilhar:

Deixe o Seu Comentário